segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Poemeto Pluriparental





Ninguém é de ninguém
E todos, de quem?

Quando o 1º marido
Encontra o atual,
Qual cumprimenta qual?

Reflete um a burrice
Que cometeu o outro
Em separando
Ou se juntando?

Quando o 2º marido
Vê a ex-mulher
Com o 1º amante,
Quem deve pagar
A conta no restaurante?

E o homem número 1
Que visita o quatro,
Não recorda algum
Papel nesse teatro?

Se o filho da mulher primeira
Namora uma filha da terceira
- Eita bagaceira!
É incesto ou ocasião
Que promove comunhão?




(homenagem a Millôr)

Nenhum comentário: